O cardiologista Roberto Kalil Filho – (Foto: Divulgação/Hospital Sírio-Libanês)

O cardiologista Roberto Kalil Filho, diretor-geral no Hospital Sírio-Libanês, revelou que fez uso da hidroxicloroquina e cloroquina para tratar da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. O médico estava com um quadro grave da doença e chegou a ter a possibilidade de ser transferido para a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), mas apresentou melhora.

“Minha opinião é que independentemente das ideologias, devemos procurar minimizar o dano à população e evitar mortes. Se existe medicação com evidências que pode haver benefícios, aliada a outras medicações, numa situação desta, tem que ser utilizada e pronto. Não tem conversa.”, afirmou no programa Jornal da Manhã, da rádio Jovem Pan.

“Pela ética médica, não quero influenciar outros tratamentos. É uma responsabilidade muito grande”, apontou. “Meu estado geral era péssimo, foi discutido com a equipe vários tipos de tratamentos, dentre eles a hidroxicloroquina, e aceitei”, contou, ao dizer que apresentava, como um dos sintomas,,quadro de pneumonia avançada.

Ainda segundo Kalil, ele deve ter alta ainda hoje. “Fiz o uso [da hidroxicloroquina] sim. Melhorei só por causa dela? Provavelmente não. Ajudou? Espero que sim. Tomei corticoide, anticoagulante, antibiótico”, relatou, ao reforçar que usou uma variedade de remédios distintos.

Mesmo assim, Kalil reforçou que, como profissional de medicina, deve falar com cuidado a respeito dos medicamentos em questão, pois ainda não há estudos robustos a seu respeito. "Se há uma chance de que o paciente melhore, se pode salvar vidas, tem que ser ministrada", afirmou o doutor.